Pierre Bourdieu, in Pour un mouvement social européen,
Le Monde Diplomatique, juin 1999 — Pages 1, 16 et 17, aussi in Contre-feux 2, Raisons d'agir, 2001, p. 13-23

"L'histoire sociale enseigne qu'il n'y a pas de politique sociale sans un mouvement social capable de l'imposer ( et que ce n'est pas le marché, comme on tente de le faire croire aujourd'hui, mais le mouvement social qui a « civilisé » l'économie de marché, tout en contribuant grandement à son efficacité ). En conséquence, la question, pour tous ceux qui veulent réellement opposer une Europe sociale à une Europe des banques et de la monnaie, flanquée d'une Europe policière et pénitentiaire ( déjà très avancée ) et d'une Europe militaire ( conséquence probable de l'intervention au Kosovo ), est de savoir comment mobiliser les forces capables de parvenir à cette fin et à quelles instances demander ce travail de mobilisation. "


vendredi 15 août 2014

Estratégias educativas das elites brasileiras na era da globalização, Afrânio Garcia, Leticia Canêdo, Kimi Tomizaki

Estratégias educativas das elites brasileiras na era da globalização
Afrânio Garcia
Leticia Canêdo
Kimi Tomizaki
organizadores
HUCITEC/FAPESP
2013

Présentation de l'éditeur
A educação é uma área intrinsecamente interdisciplinar e envolve dada sua natureza, dimensões teóricas e aplicadas. A produção escrita nesse campo tem sido volumosa e diversificada, oferecendo ao educador e ao leitor interessado varias possibilidades de reflexão e ferramentas para a ação educativa. A presente coleção considera educação essencialmente como prática cultural constitutiva do desenvolvimento humano. Com base no pressuposto de que em todos os grupos culturais e em todas as etapas de sua vida o ser humano, sempre em desenvolvimento, está submetido a processos educativos, privilegia-se, aqui, a educação como ação que promove desenvolvimento em uma multiplicidade de cenários educativos possíveis, entre os quais está a escola.

SUMÁRIO
Parte I - Espaços de poderes nacionais, espaços de poderes internacionais: estratégias cosmopolitas e reprodu­ção das hierarquias sociais
Yves Dezalay & Mikael Rask Madsen
Capítulo 1 - Herdeiros, militantes, cientistas políticos: socializa­ção e politização dos grupos dirigentes no Brasil(1964-2010)
Letícia Canêdo
Capítulo 2 - Internacionalismo operário e socialização política de dirigentes sindicais
Kimi Tomizaki
Capítulo 3 - Agência de publicidade como escola: adesão ao “so­nho americano”
José Carlos Durand
Capítulo 4 - O espaço jurídico brasileiro e as condições de uso do capital internacional
Fabiano Engelman
Capítulo 5 - José Olympio, a arte da amizade, campo de poder e publicação de livros autenticamente brasileiros
Gustavo Sorá
Parte II - Vantagens e armadilhas do atraso. Estudos internacio­nais e recomposição das elites dirigentes no Brasil em perspectiva comparada
Afrânio Garcia
Capítulo 1 - Anísio Teixeira, Paulo Renato: circulação interna- cionae carreiras políticas
Ana Maria Almeida & Águeda Bittencourt
Capítulo 2 - Os professores de ensino superior como posição social: segmentação interna e relações com os centros inter­nacionais
Odaci Coradini
Capítulo 3 - Intercâmbios científicos Brasil-Africa: quem apren­de o que?
Neusa Gusmão
Capítulo 4 - Recomposição do episcopado brasileiro e a autoridade de Roma
Ernesto Seidl
Capítulo 5 - A institucionalização da pós-graduação e internacio­nalização dos debates em filosofia no Brasil
Daniela Ferreira
Capítulo 6 - Mobilidade internacional em direção à França: da­dos objetivos e experiência existencial
Marie-Claude Munoz



Aucun commentaire: